26 setembro 2017

Avaliação médica antes de exercícios físicos reduz risco de morte súbita

Avaliação médica antes de exercícios físicos reduz risco de morte súbita
Pessoas sedentárias que, acertadamente, planejam iniciar a prática de exercícios físicos precisam passar por uma avaliação médica prévia. O objetivo é minimizar potenciais riscos à saúde, já que doenças graves que se apresentam assintomáticas por algum tempo podem se manifestar durante os exercícios, tornando-se um risco para os indivíduos portadores. Algumas dessas doenças são hipertensão arterial; diabetes; doenças do aparelho locomotor, como hérnias de disco, artrite, artrose, e cardiopatias - doença arterial coronariana, insuficiência cardíaca, cardiomiopatia hipertrófica, miocardites, arritmias, entre outras.  Uma avaliação completa pode envolver uma equipe multiprofissional, composta por médico, profissional de educação física e nutricionista. A avaliação médica geralmente inclui exames que permitem identificar sinais e sintomas sugestivos de doenças cardiovasculares, pulmonares, metabólicas ou do aparelho locomotor. Entre os exames essenciais estão os laboratoriais, o eletrocardiograma e o teste de esforço. A ergoespirometria pode ser necessária a depender do resultado dos exames essenciais ou dos objetivos do praticante e do seu preparador físico.  Caso o praticante não apresente riscos e/ou problemas de saúde prévios na avaliação e esteja liberado para suas atividades, o acompanhamento médico especial é facultativo. Entretanto, atletas de alto rendimento devem buscá-lo, a fim de prevenir possíveis complicações advindas da própria rotina de treinamentos
É lei
Em junho deste ano, a Prefeitura de Salvador publicou a Lei 9.224/2017, que determina que os alunos apresentem um atestado médico para poder fazer as atividades nas academias. O documento é obrigatório e deve ser apresentado no ato da matrícula.  A lei tem como objetivo tentar diminuir os casos de mortes e evento graves que tem acontecido nas academias da cidade de Salvador.  Entretanto, trata-se de uma medida que pode restringir pessoas que poderiam iniciar um programa de exercícios sem a avaliação médica inicial. Estão inclusos nessa liberação indivíduos jovens, abaixo dos 35 anos e sem nenhum fator de risco, sinal ou sintoma de problemas cardiovasculares, metabólicos e/ou do aparelho locomotor.  Essa triagem inicial pode ser feita pelo profissional de Educação Física na própria academia, porém, por conta de questões logísticas e administrativas, nem todas as academias realizavam este tipo de triagem. Por isso, surgiu a necessidade de se criar um mecanismo legal para tentar diminuir o número de casos dentro das academias.  Não há números concretos nem dados na literatura médica para afirmar que este tipo de lei irá reduzir o número de casos de óbito ou de outras intercorrências médicas dentro das academias. Por outro lado, imagina-se que ela possa afastar indivíduos que pretendiam iniciar um programa de exercícios por conta da dificuldade de acesso aos serviços de saúde na capital.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...