17 fevereiro 2014

Uso excessivo de aparelhos tecnológicos eleva risco de obesidade, diz médico

A tecnologia impulsiona o século XXI com avanços e funcionalidades que facilitam o dia a dia dos usuários, mas este período de "modernidade" pode ser prejudicial à saúde e à qualidade de vida, explicou nesta segunda-feira à Agência Efe o médico do esporte Gustavo Magliocca. Há uma correlação entre o acesso a aparelhos e a modernidade que leva a uma redução da atividade física, pois o tempo que a pessoa fica sentada é muito maior. É preciso ter certo nível de prática física para reduzir o risco maior de obesidade e doenças crônicas", ressaltou o médico. De acordo com Magliocca, o principal problema no excesso de contato com esses aparelhos é que não há "movimentação do corpo". O médico explicou que o sedentarismo, aliado ao uso excessivo desses aparelhos, foi evidenciado por um estudo canadense divulgado na última semana, que aponta uma relação direta entre as maiores ocorrências de diabetes e obesidade em grupos que utilizam muita TV e computador ou passam muito tempo dirigindo. Segundo os resultados publicados no Jornal da Associação Médica Canadense, que analisou mais de 150 mil adultos em 107 mil famílias de 17 países, as pessoas que têm os três aparelhos em casa - televisão, computador e carro - apresentam 9 cm a mais na cintura, além de propensão à obesidade ao diabetes tipo 2. A taxa de obesidade nas famílias estudadas sem nenhum desses aparelhos é de 3,4%, enquanto em casas com os três é de 14,5%. O diabetes tipo 2 atinge 11,7% das famílias que utilizam os aparelhos e 3,4% das que não usam. "O estudo correlacionou o tempo sentado ao aumento da ingestão calórica associada a tais modernidades e ao tempo no trânsito. Essas duas coisas refletem o ganho de peso, em consequência de um balanço entre o quanto se ingere por dia e o que se gasta", explicou o médico. Magliocca indica que é necessário equilibrar a alimentação, exercícios físicos e qualidade de vida para atingir um bom resultado de "bem estar, saúde e diminuição dos riscos de doenças crônicas ou sistêmicas". "É preciso estimular o movimento, a atividade física e a ingestão adequada de alimentos, incentivando pessoas com rotina menos ativa, que trabalham 12 horas ao dia, a se levantar mais vezes durante o dia, subir escadas, andar de bicicleta ou usar transportes públicos que estimulem a movimentação", disse. Para diminuir os impactos do sedentarismo, o médico é direto. "As pessoas precisam se preocupar com a saúde. Uma dica é a caminhada. O ideal é dar de 8 a 10 mil passos por dia, o que equivale a quase 90% da atividade física diária recomendada", explicou. Outro dado da pesquisa para o qual Magliocca chama a atenção é que a faixa etária mais atingida com o sedentarismo provocado pelo uso de aparelhos tecnológicos são os adultos jovens e os adolescentes, segundo ele "os maiores prejudicados pela cultura da modernidade". O médico ainda alerta para uma associação de fatores diários como hidratação, sono, controle de estresse, boa alimentação e prática de atividade física intercalada nos horários livres de cada pessoa, o que aumenta a capacidade de concentração, o bom humor e previnem contra tipos de câncer, além de outros benefícios. (EFE)

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...