22 maio 2013

RS: Receita para fraudar leite é achada na casa de empresário, diz promotor

Deflagrada simultaneamente em dois municípios do Rio Grande do Sul na manhã desta quarta-feira (22), a segunda fase da Operação Leite Compensado cumpriu mandados de busca em Boa Vista do Buricá, na Região Noroeste. Na casa de um empresário que está sendo investigado, mas não teve o pedido de prisão decretado pela Justiça, a equipe do Ministério Público encontrou uma fórmula usada para adulterar o leite. Em Rondinha, três pessoas foram presas nesta manhã. "Essa receita com certeza era usada para adulterar o leite. Era uma variação, uma receita nova, mas podemos afirmar que servia para adulterar o leite. O que ela fazia, qual a diferença no resultado, é o Ministério da Agricultura que pode afirmar", explicou ao G1 o promotor Mauro Rockenbach, que acompanhou a operação em Rondinha, no Norte do estado. No papel encontrado na casa do dono de uma transportadora, a "receita" cita bicarbonato e açúcar, além da água e da ureia usadas pelos outros núcleos investigados pela adulteração de leite em Guaporé, Ibirubá, Horizontina e Rondinha. Segundo o MP, o núcleo de Boa Vista do Buricá adulterou cerca de 7 mil litros de leite nos últimos meses.
RS: Receita para fraudar leite é achada na casa de empresário, diz promotor

As buscas foram feitas na transportadora, na casa do proprietário, que fica ao lado, e em caminhões que estavam no local. De acordo com o promotor Alcindo Luz Bastos Silva Filho, que acompanhou a operação, uma pequena quantidade de ureia e notas que atestam a compra do produto também foram recolhidas. "Neste cumprimento, apuramos alguns produtos químicos que estavam no local, notas fiscais que comprovam a aquisição de ureia. Inclusive achamos rascunhado a própria fórmula da fraude que vem circulando em outras regiões do estado. Foi apreendido nos fundos da residência", diz o promotor Alcindo. Nesta quarta-feira, o MP cumpriu quatro mandados de prisão em Rondinha. Três pessoas foram presas, dois sócios de uma transportadora e um motorista. O quarto suspeito já estava preso desde a primeira fase da operação por envolvimento no esquema de Ibirubá. O esquema é semelhante ao encontrado nos outros núcleos já investigados: os envolvidos misturavam água e ureia ao leite antes de levar o produto para as empresas, para dar consistência ao líquido e lucrar mais na comercialização. (G1)

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...